Wiki Creepypasta Brasil
Advertisement

Após uma crise financeira na nossa família, fomos obrigados a sair de nossa casa, que era alugada. Meu pai arrumou emprego de caseiro em um sítio de um família de condições... Era um lugar lindo. Fomos eu e os meus 2 irmãos, André e Gustavo, a casa ficava perto de uma lagoa fechada pela mata, parecia aquelas casas de férias americanas, porém brasileiras.

O lago perto da casa era o lugar de melhor entretenimento, não havia nada de mal. Certo dia eu estava brincando nas margens do lago, e senti algo puxando a minha perna, eu achei que fosse lama na hora, ou talvez algum peixe ou sanguessuga... Porém foram mais de 4 vezes que senti em tempos alternados.

Dono das terras de 18**

Miguel de Cerveiras Castro e Constant 

Por conta disso, criei o que os especialistas chamam de talassofobia, um medo de mar, meus irmãos ficavam me tirando o sarro pelo fato de eu me assustar com os movimentos das pequenas ondas que faziam sobre o lago, achava que ali de baixo daquele lago verde escuro, havia algo esquisito, aterrorizante, como se tivesse milhares de seres, pessoas mortas há anos.

Achavam me esquisito, não tinha com quem desabafar pois sempre me caçoavam pelo fato deu ter medo de pisar nas águas...

Numa noite tive um pesadelo... Estava nadando no lago, quando eu era puxado para baixo lentamente, e enquanto eu era puxado meu coração batia muito rápido, via pessoas mortas implorando por ajuda, peixes de cor acinzentada, era algo assustador.

Certa vez vi uma pessoas na beira do lago, era de manhã, acho que umas 6:31am, tinha neblina no lago, pela janela da cozinha dava pra ver a silhueta do homem, ele parecia ter um dos braços dilacerado, era assustador, cai da cadeira que estava quando vi, eu fui correndo.

Lago em GO

Foto danificada do lago, após exposição ao calor, rara imagem do acervo familiar.

Depois que vi aquilo, tentei falar com a minha mãe como sempre, porém ela sempre dizia que era "coisa que eu via", meu pai já dizia que aquele lago não era tão puro assim...

Miguel de Cerveiras Castro e Constant foi o dono dessas terras, ele tinha escravos que eram mortos cruelmente e para esconder os corpos dos escravos, dos visitantes, eram jogados no lago ao lado da casa, o lago era fundo e verde, então era fácil de esconder os corpos, que eram presos à pedras.

A casa está abandonada depois da morte do patrão, e foi tomada de volta pela natureza, o local é de difícil acesso, e o lago continua lá.

Advertisement