Wiki Creepypasta Brasil
Advertisement

Digo olá a todos que estão lendo isso. O que irei contar ocorreu a 13 anos, quando eu ainda tinha 12 anos. Foi no meu aniversário, mas eu não estava feliz. Minha avó havia morrido, e eu sentia que tinha um enorme buraco dentro de mim. Eu e ela éramos muito próximos, ela não tinha ninguém além de mim e meu avô, já que minha mãe trabalha muito e nem tempo para mim mesmo ela possuía. Eu estava em meu quarto sem vontade para nada, quando meu avô entra com uma caixa em suas mãos. Sentou ao meu lado e me entregou esta caixa. Me disse que era o presente que minha avó iria me entregar. Ao abrir, lá dentro, um boneco de um palhaço, com um selo em suas costas que dizia que seu nome era "Ashley".

Victoria Ashley v 1401703182

Tinha as cores preto e branco em predominante, e algumas bolinha coloridas em seu gorro. Seu rosto pálido possuía uma leve corada nas bochechas, e por algum motivo me senti atraído pelo boneco, e até o momento o buraco interno que eu sentia, havia se fechado. Fiquei o dia inteiro brincando com meu novo "amigo", e após o sol se pôr, eu estava esgotado e resolvi ir dormir. Coloquei Ashley em uma cadeira e fui dormir ao som de uma tempestade. Por volta de 2 da manhã, ouvi alguns passos pelo corredor. Achei estranho porque meu avô nunca se levantava até o amanhecer, e mesmo que isso já tivesse acontecido alguma outra vez, eu teria me lembrado. Resolvi levantar e ir dar uma olhada, peguei uma pequena lanterna que estava em minha cabeceira, já que estava muito escuro. A primeira coisa que notei foi a cadeira vazia no fim do corredor em que estava Ashley. Notei a porta do banheiro aberta. Ao me aproximar, ele estava de pé em frente ao espelho. Seria aquilo uma “piada” de meu avô ou minha mãe? O peguei e novamente coloquei na cadeira e voltei a dormir. No dia seguinte, minha mãe estava em casa, já que pegou uma semana de folga. Ela me deu uma bronca porque ao entrar na cozinha, tudo estava bagunçado, as gavetas todas caídas com os talheres jogados pelo chão. Tentei dizer que não havia sido eu, mas não adiantou e fiquei de castigo, logo após uma surra. Fiquei com um enorme ódio daquilo e senti que minha mãe deveria pagar. Mal sabia eu que iria me arrepender daquele pedido.

Nesta noite acordei com um grito vindo de fora de meu quarto. Corri para ver o que era, e para o meu horror que me marcaria para sempre era minha mãe, morta. Ela estava com seus lábios costurados e com um profundo corte em seu pescoço. Lá ao lado de seu corpo estava meu boneco sujo de sangue. Eu logo após estes acontecimentos, estava internado em um hospital, por ter ficado em estado de choque, ainda não acreditando no que havia acontecido. Logo após uma semana, sai do hospital e fiquei com uma família adotiva, já que meu avô ainda estava no hospital por ter tido um AVC naquela noite maldita. Esta família era composta por Lili e James, meus pais adotivos e sua filha Christine. No começo fiquei na minha, sem sair do meu quarto ou apresentar qualquer tipo de comunicação com outro morador da casa, com exceção de Ashley que não saia de minha mente, parecendo as vezes estar me consumindo. Após uma semana, comecei aos poucos me aproximar de minha nova família e deixar de lado Ashley. Já era de tarde, eu e Christine entramos em casa, tomamos banho, jantamos e fomos dormir. Algo que nunca fiz desde que ganhei Ashley, coloquei-o debaixo de minha cama e dormi sozinho. Acordei, desci as escadas e notei que estava sozinho, já que sempre naquele mesmo horário, todos já estavam de pé. Fui ao quintal, o dia estava cinzento, com um ar negativo. Fui até os fundos da casa, onde estava uma cova aberta. Me aproximei e lá dentro estavam Lili, James e Christine, todos com o que pareciam ser pancadas em suas cabeças. Não podia acreditar no que estava vendo e comecei a me afastar. Tropecei em meu boneco e cai, que não estava muito longe da cova. Peguei o maldito e comecei a gritar com ódio, perguntando a ele o porquê de ter feito isso. Ouvi um pequeno sussurro:

-É porque você é meu….

Após isso a polícia, que foi chamada por vizinhos, me levou. Fui considerado pelo juiz que eu tinha problemas psicológicos, e que os assassinatos foram cometidos por mim, desde de minha mãe até minha família adotiva. Desde então estou internado em um hospício, onde ninguém me visita. Isso pelo fato de eu não ter mais ninguém. Meu avô morrera no hospital. Ashley sumiu. O que me resta agora são as lembranças sombrias que tenho de minha infância e de um pequeno bilhete deixado em baixo da porta de minha cela.

-Nossa diversão já acabou…Hora de deixar outra criança feliz...

Advertisement