Wiki Creepypasta Brasil
Advertisement


Scary

26/11

Eu estava no meu quarto, conversando com o meu amigo pelo celular, e de repente uma mensagem de um número estranho chegou. Abri, então me assustei:

Olá, Rafael, estou anunciando que a sua tia se perdeu de casa, para vê-lá você pode ir até o endereço (Prefiro não falar*), mas antes, se você quiser, se despeça de todas as pessoas que você ama, só por precaução.

Eu não me assustei com a mensagem, mas sim com a frase “Se despeça de todas as pessoas que você ama”.E é claro que não confiei, então decidi ligar para minha tia. O celular chiou, e meu ouvido começou a doer, então desliguei a chamada. Resolvi perguntar para a minha mãe se era verdade que minha tia havia se mudado, e ela disse que não estava sabendo de nada. Umas 2 horas depois, minha mãe falou que minha tia não estava na casa dela, então tomei, mas pouca, confiança daquela mensagem...

27/11

Acordei ás 7:13 da manhã, ansioso para ver minha tia (Pois fazia tempo que eu não via ela), peguei o celular para ver o endereço. Saí do quarto e pedi a chave do carro para minha mãe. Depois que ela me deu, saí correndo até a garagem e liguei o carro. Conferi o endereço mais uma vez e dirigi até lá. Finalmente cheguei no local. Saí do carro e percebi que a construção estava em ruínas. Quando fui fotografar, meu celular começou a tremer muito. Caiu no chão e ele se quebrou inteiro, “Droga, droga, droga!”, exclamei. Peguei o celular em pedaços e voltei para o carro, tentar consertar. Tentei, tentei e tentei, mas nenhuma tentativa deu certo. Quando fui ver, já estava no fim a tarde, então era melhor eu ver minha tia logo. Entrei no local novamente, estava com um pouco de medo, mas avancei, sem pensar em o que aconteceria pela frente. Eu estava já longe da entrada, suspeitando bastante daquela mensagem, mas comecei a ver corpos e a ouvir um barulho de motosserra ou sei lá o que. Me arrepiei, mas insisti que era coisa da minha imaginação. Uns 4 minutos depois, eu estava quase desistindo, quando ouvi alguém falando: “Então você veio mesmo, Rafael!”. Me perturbei. Saí correndo para escapar daquele lugar. O barulho da tal motosserra estava vindo da direita, cada vez ficando mais alto. Olhei para o lado e vi uma criatura encapuzada, usando um casaco marrom, cujas mangas chegavam até a metade dos dedos.  Ele usava uma máscara de pó, e em volta dos olhos parecia que... sei lá, a pele rasgada. Ele segurava uma motosserra, e olhava para mim com um olhar sedento. Fiquei mais perturbado, e corri mais rápido ainda, então ele falou com um tom de voz arrepiante: “Sou eu, o Adam. Não lembra da mensagem?”. Eu estava muito assustado e suando muito, quando finalmente cheguei ao portão. O tal Adam estava me perseguindo lentamente, com sua motosserra, e eu ficando mais tenso ainda. Com um único empurrão extremamente forte, consegui abrir o portão. Voltei para o carro, liguei, e saí o mais rápido possível.             

1-* Não quero ser responsável por possíveis danos.

Advertisement