Wiki Creepypasta Brasil
Advertisement

(Original: A origem do homem roxo (FNAF))

William Afton nascera com uma doença, uma rara forma de daltonismo que, ao invés de alterar certas cores na concepção visual da pessoa, restringia todas as cores da paleta visual, exceto uma: o roxo. Seus pais nunca se importaram muito com isso e nunca procuraram algum tipo de cura ou tratamento. Sua mãe era muito rígida e religiosa; quando ele aprontava ou a desobedecia, tinha que sofrer com as cruéis formas de punição dela. Seu pai, por outro lado, era um alcoólatra inveterado que frequentemente batia nele e em sua mãe quando chegava bêbado à noite. Mas o que seus pais não sabiam era que seu daltonismo não era sua única doença; ele tinha outro distúrbio, mas esse não era físico, e sim psicológico...

Em uma noite, seu pai chegara mais bêbado do que o usual e novamente começou a espancar sua mãe, enquanto William Afton se escondeu atrás do sofá. Ele ocasionalmente e com muito medo olhava, mas dessa vez seu pai exagerou, pegando um taco de beisebol e acertando na cabeça de sua mãe. Ela caiu, e ele continuou batendo, e pela primeira vez, William Afton viu outra cor além do roxo... o vermelho. Quando seu pai se deu conta do que havia feito, pegou a arma no andar de cima e deu um tiro em sua própria cabeça. A vizinhança, ao ouvir o tiro, chamou a polícia, e o pequeno William Afton foi mandado para um orfanato, frequentemente indo à escola.

Ele foi adotado e devolvido muitas vezes; os casais que o adotaram não deixavam claro por que devolviam o menino. Sempre no bairro, crianças desapareciam, e animais também. O tempo passou, e William Afton esqueceu a cor vermelha e o sentimento que a acompanhava. Agora, com 18 anos, arranjou um emprego de guarda noturno em um restaurante, alugou um apartamento e continuou frequentando a escola. Ele não tinha um bom convívio com as pessoas, mas quando viu a Sra. Afton pela primeira vez, sentiu amor. Certa vez, um garoto jogou a Sra. Afton no chão, e William Afton a ajudou a levantar; eles se apaixonaram depois de um tempo. Vários anos se passaram calmamente, e o casal teve dois filhos e adotou mais dois.

William Afton continuou trabalhando como guarda no restaurante, mas agora apenas durante o dia. Às vezes, vestia-se como Springtrap e servia pizza aos clientes, o que resultava em seus filhos tendo vários brinquedos e objetos do restaurante e sempre perambulando por lá. O filho mais velho assustava um dos gêmeos, que tinha medo dos animatrônicos. O menino tinha muitos pesadelos, mas seu irmão continuava a amedrontá-lo até que, em certo dia, colocou a cabeça do garoto na boca de um animatrônico, e a boca se fechou. Quando William viu o sangue, a cor vermelha retornou à sua mente, mas ele conseguiu conter o sentimento e levou o filho às pressas ao hospital. O menino teve o lobo frontal destruído e acabou morrendo após alguns dias em coma.

William Afton e a Sra. Afton ficaram muito abalados com isso, e William começou a beber. Em uma noite, após uma discussão com um homem, acabou matando o homem com ódio. Depois de ver o sangue, deixou o sentimento pela cor vermelha fluir novamente. Voltando para casa, passou em frente ao restaurante Five Nights at Freddy's e viu um garotinho triste na calçada. O sentimento retornou, e sem conseguir se controlar, esfaqueou o garoto, matando-o. Sem culpa, continuou até recuperar sua sanidade, momento em que a culpa o atingiu.

Os dias se passaram, e nos momentos de insanidade, William Afton acabava matando pessoas. Em uma tarde, matou algumas crianças em uma sala do restaurante, apagando as imagens das câmeras de segurança. Em outro dia fatídico, acabou matando sua própria filha no restaurante. A culpa por tanta carnificina estava acabando com ele, e William Afton começava a beber mais para tentar esquecer.

A oficina onde os animatrônicos eram criados ficava ao lado de sua casa, e ele ajudava na construção e reparação deles. Sua filha mais nova adorava brincar lá e gostava especialmente da Baby, mas William sabia do segredo desses novos animatrônicos e não permitia que ela se aproximasse. Por descuido, a animatrônica acabou matando sua filha mais nova. Nesse momento, William Afton e a Sra. Afton estavam devastados; sua família estava quase acabada, mas o amor que sentiam os mantinha vivos.

William Afton descobriu que o espírito de sua filha estava preso dentro do corpo da animatrônica Baby. Ao descobrir isso, ele e a Sra. Afton foram até os confins da fábrica para libertar a filha, mas foram atacados pelos animatrônicos comandados por Ennard. Com dificuldade, conseguiram fugir da fábrica, mas Renata ficou gravemente ferida e foi internada no hospital. A insanidade de William começou a se manifestar novamente, e sem escolha, ele enviou seu filho até a oficina Sister Location para salvar a irmã, enquanto ele ia até o Five Nights at Freddy's destruir os animatrônicos e libertar sua outra filha.

William Afton pegou seu machado, o mesmo com o qual havia matado muitas pessoas, e foi até lá. Abriu a porta com sua chave e começou a destruir os animatrônicos um a um com seu machado, além de matar o guarda noturno na sala de comando. Ao terminar a retaliação, viu os fantasmas das crianças perseguindo-o. Correu até uma sala escondida, vestiu a antiga fantasia de Springtrap e começou a rir psicoticamente dos fantasmas que não podiam fazer nada com ele agora.

Até que, enquanto ria, as molas da velha fantasia se soltaram e esmagaram seu corpo. Muito sangue jorrou enquanto ele gritava de dor, acabando por morrer e sua alma sendo aprisionada na fantasia.

Após tantos assassinatos, a pizzaria foi fechada, e mesmo aprisionado dentro do traje de Springtrap, William Afton enviou uma última carta a Renata. Trinta anos se passaram, e um guarda noturno foi contratado para passar a noite no restaurante já destruído.

Enquanto as sombras do passado permaneciam no lugar, o novo guarda noturno, alheio às tragédias que ocorreram ali, começou sua vigília solitária. No entanto, o local carregava consigo um histórico sombrio e a presença inquietante de William Afton, cuja alma ainda permanecia ligada ao Springtrap. A noite se desenrolava com um silêncio tenso, e o passado voltava a assombrar aquele lugar, onde o horror e a tragédia se entrelaçavam em uma história marcada pela insanidade e pela perda.

Advertisement