Wiki Creepypasta Brasil
Advertisement

Em 1997 um antropólogo americano foi pesquisar um cemitério asteca e mexeu nos restos mortais de um asteca famoso por sua extrema atividade libidinosa.

Então, na cidade onde está esse cemitério, os homens passaram a cometer nas ruas impressionantes crimes de atentado contra os bons costumes e a moral da família tradicional.

O policial Juan prendia todos eles. Mas não havia mais vagas na cadeia.

Então o policial prendeu um tarado na rua e levou pro Dulce, um cara que trabalhava em fazendas castrando porcos.

_Por que você trouxe esse tarado na minha casa, seu policial ?

_Porque, com essa epidemia de tarados, faltou vaga na cadeia. Faça o seu trabalho.

O Dulce castrou o cara.

_Ele vai me processar porque eu cortei os testículos dele.

_Então mate esse cara. Os mortos não processam ninguém .

O Dulce tacou o facão de castrar porco no pescoço do cara.

_Mas onde eu vou enterrar esse filho da enxuta ?

_No seu quintal.

_Se a minha sogra perceber que cavei no quintal, ela me denuncia .

_Então esquarteje esse cadáver e coloque no freezer. Depois, quando eu trouxer mais taradões pra você castrar, retire os cadáveres do freezer e entregue pros seus 3  pitbulls comerem.

Mas o policial trazia tantos caras pra serem castrados, que o Dulce precisou comprar mais 3 freezers e mais 3  pitbulls. E era tanta carne de gente que os 6 pitbulls não conseguiam comer toda aquela carne.

Então a mulher do Dulce, a Malvina, resolveu ser canibal. Todos os dias ela comia 10 quilos de carne humana.

Um dia o Dulce perguntou :

_Por que essas xícaras de café e esses copos de guaraná estão voando ?

_Acho que são os espíritos das centenas de homens que nós castramos, matamos e devoramos com a dentadura. Os espíritos deles ficam brincando de fazer copos e xícaras voarem.

Um repórter ouviu dizer que na casa do castrador de porcos as xícaras e copos voavam. O repórter foi lá.

O Duloe, a Malvina e o repórter tavam almoçando.

_Essa carne tem um sabor diferente. O que é ?

_Melhor não saber.

O seio da Malvina saiu pra fora do decote.

_Você olhou pro seio da minha mulher. Acho que você também foi possuido pelo espírito do asteca que não conseguia controlar o gigantesco erotismo que estava na mente dele.

_Eu não sou tarado, seu castrador de porcos. Faz 3 anos que eu não faço aquilo.

_Nessa cidade o espírito do asteca possui todos homens da cidade e eles fazem safadeza nas ruas e o policial Juanes traz todos eles aqui pra eu castrá-los. Eu também mato-os e minha mulher está gostando de ser canibal.

_Por que o espírito do asteca nunca possuiu você ?

_Porque, 10 anos atrás, a minha sogra tava brincando com a minha faca de castrar porcos. E de repente ela cortou meus testículos.

O Dulce castrou o repórter e a Malvina disse :

_Não mate ele. Eu quero saber como é que é a sensação de comer a carne de um homem que está vivo.

Ela cortou um pedaço do braço do repórter e comeu.

O Dulce disse :

_Também vou ser canibal.

E começou a mastigar um pedaço do corpo do repórter, até engolir. Mas o repórter gritou :

_Atenção, espíritos das centenas de homens que foram assassinados nessa casa! Parem de agir igual crianças. Parem de brincar de fazer as xícaras e os copos voarem. Lembrem do filme V de Vingança.

Então um facão passou voando e decapitou o Dulce, a Dulcina e os 6 pitbulls do casal.

_Nessa casa eu perdi meus testículos, alguns pedaços do meu braço e muito sangue. Mas com tudo que eu vi aqui vou escrever uma grande reportagem. Ou o meu chefe vai achar que estou louco e vai me colocar no hospício.

O repórter chamou uma ambulância . E no hospital fizeram curativos na sua castrada genitália e nos braços.

O policial Juanes chegou ali no quarto do hospital.

_Uma enfermeira disse que você contou que foi castrado pelo Dulce. Então você é tarado.

_E se eu fosse ?

_Nessa cidade tem tanto tarado que não tem mais vagas na cadeia. O Dulce tava matando eles, e a esposa dele  tava comendo 10 quilos de carne humana por dia. Agora que eles morreram, a pena de morte sou eu.

O policial apontou a arma pra cabeça do repórter.

_Atenção, espíritos das centenas de homens que o Dulce castrou! Algum de vocês achou que eu sou bonito e resolveu me seguir ? Salvem minha vida.

Um espírito de um idoso castrado tava ali e dominou a mente do policial, fazendo ele cometer suicídio.

O repórter não voltou pro jornal. O chefe dele sempre chamava-o de louco. Se ele contasse tudo que tinha visto pro chefe, então o chefe arrastaria o repórter até o hospício do psiquiatra sádico que dava gargalhadas quando matava os filhos rescém-nascidos das mulheres internadas no hospício.

O repórter foi morar na ilha de Tonga com o espírito do idoso castrado. Quando as xícaras e os copos voavam, o repórter dizia :

_Então você tá gostando de me espiar, seu idoso castrado  safadinho.

Advertisement